quarta-feira, janeiro 1

a esperança equilibrista

Postado por Ariana Fernandes às 20:05


Eu comprei flores e acendi incensos
Eu pus música
E assisti o vento convidar minhas cortinas para dançar
o Bolero de Ravel
E eu sai a dançar também
Com o sol e as estrelas
Com a lua
Mas não consegui alcançar a leveza.

Por mais que eu me estique
Por mais que eu corra
Por mais que eu chore
Ela se afasta de mim
E o que sobra é um nó[s]
bem no meio do sossego.

Eu vivo nesse lugar de coisas incríveis
que não acontecem. 
Enquanto isso, as coisas como são
acontecem sem mim.

Porque ele é esse compilado de complexos paradoxos
E tem o coração do tamanho dos meus sonhos
Com praia, cerca branca e jardins.

Mas por mais que eu me estique
Por mais que eu corra
Por mais que eu chore
Não consigo tocar.

E as flores, e os incensos
E o vento, e as cortinas
Nada disso tem sentido
Se não tem ele.

2 comentários:

Kel Maciel on 2 de janeiro de 2014 11:25 disse...

To aqui lendo e relendo e impressionada com o quanto me identifico nessas palavras. Você tem o dom, moça :3 parabéns nenhum se faz suficiente. Você arrasa!

Janice Adja on 26 de dezembro de 2015 18:54 disse...

Não dizer mais nada depois que li Maciel.
Beijos, milhares de beijos